'Personal gamer' ganha espaço dando aulas para eSports

Nova profissão visa ajudar as novas gerações em jogos específicos, a fim de criar bons cyberatletas

Publicado em 26/12/2016

Com o imenso crescimento dos eSports, tem quem faça uma carreira nesse meio, e não estamos falando dos gamers. A profissão ‘personal gamer’ pode parecer invenção, mas a demanda de serviço desses profissionais é enorme até no Brasil, ajudando jogadores “pro” a treinar para competições, além de dar dicas de desenvolvimento para quem quer uma carreira na programação.

Experiência e conhecimento no mundo dos games são os pré-requisitos para que alguém ingresse no ramo. Então ex-cyberatletas aproveitam a deixa para continuar trabalhando com videogames e ajudando as novas gerações nos treinos para jogos como League of Legends, Counter-Strike, Overwatch e Fifa. Esses games estão sempre nos campeonatos mundiais de eSports e a competição é pra lá de acirrada.

São mais comuns as aulas serem por vídeo e sempre durante partidas, como se fosse uma consultoria, com dicas, sugestões e puxões de orelha. Pode parecer algo muito recente e pouco aderido, mas não se engane, afinal, milhares de pessoas estão inscritas e recebem ajuda para se tornar um profissional, ou um atleta cibernético.

Foto: Divulgação